Academia do Vinho

Academia do Vinho - 20 anos - O mais importante site sobre vinhos no Brasil

O bom vinho é criatura jovial, se bem usada (Otelo, II-3) - SHAKESPEARE, William (1564-1586)

Voltar

O Mago do Veneto
05-janeiro-09  Vinhos

Um breve passeio pelos vinhos de um ícone da vinicultura Italiana - MASI. Com suas técnicas apuradas, criatividade e respeito às tradições, esta vinícola encanta com seus vinhos de grande personalidade.

CARLOS ARRUDA

Arquiteto, web designer, enófilo, professor, consultor e autor de artigos sobre vinhos, criador e diretor do site Academia do Vinho.

Facebook

História e Evolução

Apesar de minha conhecida há bastante tempo, tive a agradável oportunidade de degustar alguns vinhos da vinícola MASI, um dos ícones da vinicultura do Veneto, região no nordeste da Itália.

A MASI Agricola tem seus principais vinhedos próximos à histórica Verona, terra de Romeu e Julieta, adquiridos no século 18 pela família Boscaini, proprietária desde então. Ao longo do tempo, a família ampliou sua vinicultura com vinhedos de alta qualidade em toda região do Veneto.

Oportunidade surgida, os Boscaini fizeram também uma parceria com a família Serego Alighieri (descendentes de Dante) para produzir vinhos na Toscana.

Mais recentemente, partiram para experiências no Novo Mundo, com uma unidade de produção na Argentina, onde produzem interessantes vinhos. Fala-se de experiências similares no Brasil também, vamos aguardar.

O Rei do Amarone

No Veneto, dentro da denominação Valpolicella, MASI é conhecido como “O Rei do Amarone” por seus sensacionais vinhos dessa denominação.

Recapitulando, o Amarone della Valpolicella é produzido com uvas das variedades típicas do Valpolicella (Corvina, Molinara, Veronese, principalmente) que depois de colhidas são deixadas para desidratar em galpões, sobre esteiras de bambu. São uvas passificadas, com alta concentração de açúcar, que passam então por dupla fermentação.

O vinho resultante - o Amarone - é um clássico da região, com teor alcoólico mais alto (15-16%) e profunda concentração de aromas e sabores. Os Amarones são vinhos caros, mas valem o que custam ...

Até aí tudo bem, que a Itália tem seus clássicos, todos sabemos e apreciamos, mas os Boscaini são incansáveis em sua pesquisa: em 1964 recriaram a técnica da dupla fermentação (batizada de Ripasso) com o lançamento do Campofiorin Ripasso, um super-Valpolicella refermentado sobre uvas passificadas que apresenta corpo e personalidade em um custo-benefício surpreendente.

Os Vinhos

Continuando sua busca de qualidade, personalidade e bom preço, MASI nos mostra vinhos onde técnicas modernas reinventam as tradições do Veneto:

MODELLO DELLE VENEZIE - Seu Veneto básico, de uvas Raboso e Refosco, tem ótima estrutura e boa acidez típica. Não passa em barricas, guardando o frescor e as frutas naturais das variedades, em um conjunto muito agradável para acompanhar massas, pizzas e tortas. Por cerca de R$ 40 é ótima escolha.

MASIANCO - Esse branco aposta na típica variedade Pinot Bianco, mas com o truque da presença de 30% de outra típica, a Verduzzo, passificada para concentrar sabores. O resultado é inovador: continuando um típico Pinot Bianco leve e fresco, o Masianco mostra acidez equilibrada, é profundo, untuoso e persistente, com notas de mel, tostados, nozes e amêndoas. O conjunto é rico, agradável e muito gastronômico: frutos do mar empanados, grelhados ou em massas ganham um imponente companheiro.

GRANDARELLA - um surpreendente vinho que deixa pouco a desejar frente aos Amarones, mas com 1/3 do preço ! As uvas Refosco (tradicional do Veneto) e Carmenère (longe do Chile...) plantada no vizinho Friuli, são passificadas, fermentadas em separado, reunidas no vinho, que passa 12 meses em barricas grandes (500 l). Haja inovação !

O resultado é um grande vinho, encorpado, profundo, rico e apaixonante, ótimo para carnes nobres, caças e queijos. Seu preço o faz um excelente custo-benefício.

MASI na Argentina

PASO DOBLE - Este adorável vinho é um dos resultados Argentinos da família, e se tornou um pesadelo de logística: a vinícola não consegue atender à demanda criada por esse vinho surpreendente pela personalidade e pelo preço, os consumidores fazem fila...

As variedades mostram bem o intento de globalização: Corvina (40%) e Malbec ! A Corvina, típica italiana, se adaptou muito bem ao clima Mendoncino, formando cachos enormes com bagos do dobro do tamanho encontrado em outras variedades.

Exuberância à parte, a Corvina ganha técnicas inusitadas (lá vem eles...): deixadas a passificar por 25 dias, são fermentadas dentro do vinho de Malbec já fermentado, gerando dupla fermentação (a marca registrada da vinícola).

O resultado é um vinho rico, corpulento e profundo que ao mesmo tempo mostra uma estrutura elegante, com taninos macios e um belo frescor. As personalidades das variedades - a rústica Malbec e a italianíssima Corvina mostram tudo que podem e dançam juntas com graça e harmonia.

Paso Doble acompanha com classe carnes, caças, massas com molhos vermelhos suculentos, terrines e patês, queijos maturados.

Tradição e Modernidade

Degustar MASI deixa a agradável sensação de se beber modernidade com forte raiz na tradição, uma marca de personalidade que identifica a casa dos Boscaini como um verdadeiro ícone da vinicultura italiana, arejada aos ventos da globalização.

Os vinhos Masi são importados para o Brasil pela MISTRAL - www.mistral.com.br

© 1997-2017 Academia do Vinho - Aprecie o vinho com moderação
Nenhuma reprodução, publicação ou impressão de textos ou imagens deste site está autorizada