MENU TOPO
Hungria
Introdução Mais

O vinho foi introduzido na Hungria pelos Romanos e o país sempre foi conhecido pelos seus excelentes vinhos até a Segunda Guerra, quando a dominação comunista bloqueou a vinicultura.

A grande estrela sempre foi o Tokaj, o vinho doce botritizado, como o Sauternes francês, que encantou a Europa, descrito como - o Rei dos vinhos e o vinho dos Reis - por Luis 14 da França.

Com a abertura política do bloco comunista, os vinhos húngaros vivem um renascimento e reencontram seu prestígio e valor no cenário internacional.

Hoje a Hungria tem 22 regiões oficialmente designadas, apesar de contidas em um pequeno país. Isso mostra sua diversidade e potencial de qualidade para a produção de vinhos.

Regiões Mais

Hungria possui 7 regiões vinícolas: ... (veja mais)

Mapa vinícola da Hungria

Mapa vinícola da Hungria

Vinhos da Hungria

Além do Tokaj, muitos outros rótulos ponteiam a diversidade do vinho húngaro.

Eger, ao norte do país, produz tintos elegantes, principalmente os blends Bikavér, onde o Bikavér Superior é o melhor exemplo do famoso Bull Blood.

Devido à latitude, os tintos do Eger não têm o corpo dos vinhos do sul, mas são elegantes e complexos podendo ser comparados aos Borgonhas franceses.

Kunság, Csongrád e Hajós-Baja estão na vasta área plana entre os rios Danubio e Tisza, conhecida como a Grande Planície. Essa área responde pela metade da produção do vinho húngaro, em um estilo de vinhos de mesa leves e fáceis de beber.

A região de Villány é dita como a Bordeaux da Hungria, fica ao sul e tem o clima mais quente de todas. Varietais de Cabernet Sauvignon e Merlot são produtos chave, e também a Cabernet Franc tem uma ótima reputação. A uva alemâ Portugieser é a segunda tinta mais plantada, seguida de perto pela Szekzárd disputando os melhores tintos.

Principais Variedades de Uvas Tintas

Kékfrankos, Kadarka, Portugieser, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot, Turán (Médoc Noir)

Principais Variedades de Uvas Brancas

Furmint, Hárslevelű, Olaszrizling (Riesling Itálico), Irsai Olivér
Királyleányka, Leányka
Chardonnay, sauvignon Blanc, Riesling

Tokaj, o vinho mais que especial Foto

Produzido com uvas que sofreram o ataque do fungo Botrytis Cinerea, também chamado de podridão nobre, o Tokaj é um vinho de sobremesa que surge de condições mais que especiais do microclima, na região ao nordeste do país.

Quando as condições são exatas, a convergência de três rios cria um microclima que favorece a proliferação do fungo nas uvas sobrematuradas cheias de açúcar.

Os húngaros as chamam de Aszú, que são colhidas cuidadosamente e separadas dos frutos não afetados, para serem fermentadas longamente em barricas, dentro de caves subterrâneas.

Essas uvas dão ao Tokaj suas intensa cor âmbar-dourada e sua incrível riqueza de sabores.

O Tokaj tem variações, podendo ter de 3 a 6 Puttonyos. Esse número representa o número de pequenas barricas de vinho doce botritizado puro, que é adicionado a uma cuba de vinho brance seco, produzindo o Tokaj de consumo. Devido a esse método de produção, o Tokaj é um vinho bastante caro.

Atualmente essa medida é feita em gramas de açúcar residual, variando de 60 g/l no nível 3 até 150 g/l no nível 5. O nivel 6, chamado de Eszencia, é feito unicamente das uvas botritizadas, o que explica seu preço altíssimo.

A região de Tokaj-Hegyalja, local de desenvolvimento do famoso vinho das uvas Aszú, foi oficialmente protegida por um decreto real em 1737 que a declarou de uso exclusivo para a produção de vinho, um ato que precedeu a maioria das regiões vinícolas da Europa.

É também uma área de proteção histórica da UNESCO.

História

A vinicultura é praticada na Hungria desde a ocupação romana, quando fazia parte da província de Pannonia. Contudo, a presença da palavra Bor para vinho, não derivada do latim, faz supor que o vinho já era conhecido na região antes dos romanos chegarem.
As tribos magyares que ocuparam a região ao final do século 9 já encontraram o vinho em plena produção.
Durante o reinado de Bela no século 13, após a invasão mongol, a produção de vinho foi tão priorizada que estrangeiros com conhecimento de enologia eram convidados a participar da reconstrução da produção. Ao final de seu reinado já existia uma forte exportação de vinhos das regiões de Sopron e Eger.
O famoso Tokaj apareceu mencionado a partir do século 15, mas nessa época ele era um vinho seco, sem botrytis.
No século 16 se inicia uma dominação mulçumana que durou 150 anos, que freiou a evolução da vinicultura. Logo após, no século 17, surge o vinho doce Tokaji Aszú, encabeçando uma regulamentação em Tokaj-Hegyalja com detalhes técnicos de seleção de áreas, plantio, manejo e irrigação. Em 1570 a podridão nobre foi reconhecida e as regras para o Aszú formuladas.
Sob o vasto império Habsburg (austro-húngaro) Ferenc Rákóczi enviou garrafas de Tokaj para a corte de Luis 14, iniciando sua formidável reputação internacional

Dados de Produção da Hungria
Área de Vinhedos: 58.693 hectares
Mais informações no site:

Internet www.hungarianwines.eu
Inglês Inglês

© 1997-2017 Academia do Vinho
Aprecie o vinho com moderação
Nenhuma reprodução, publicação ou impressão de textos ou imagens deste site está autorizada